Páginas

domingo, 25 de maio de 2008

Teu Abraço...



Feito brisa, teu abraço
Feito brasa, teu abrir-se

Com a tristeza dos que
Esgotam o ocaso em
Silêncio abismal,
Vislumbro a saudade
E, em seu bojo, a solidão...
E, em seu ventre, a configuração
De clamores inauditos,
Contorcendo-se em agônica espiral:
Plasticidade indelével...

Feito brisa, teu abraço
Feito brasa, teu abrir-se...


[DiAfonso]

Um comentário:

Marcella disse...

Lindo...
já falei que amei este poema? poesia?
num sou muito boa nesse tipo de classificação, mas sei dizer quando leio algu muito bom.
Beijos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...