Páginas

sábado, 25 de junho de 2011

Estrada Velha do Curado, 2011

Antiga casa de meus pais,  em um dia de  des/arrumação

Que é, mesmo, estar em um lugar?
Hic.
Illic.
Ubique.
Repousar no espaço
a se ver passar no tempo?

Aqui,
ali
e em toda parte,
estar é ser, se estiver todo.

Estar é essa presença plena
de onde em quando
o ser palpita, aquilo
que se con/sente vivo:

Do alpendre, a cerca viva,
a ubaia, ácida e cíclica,
e o vento ainda a empoar a estrada antiga...

Eu sou esse lugar que passa, a poeira, a casa reformada...
Sou esse estar...
E só há lugar nisso em que me entrego.
Se inteiro não me estou, não há lugar.


Imagem da casa:
http://sitiodolinda.blogspot.com/2008/04/o-que-o-stio-dolinda.html


Esse é o meu grande amigo Lula! Quantas vezes estive nesta casa e só agora ela se me apresenta poetizada no ser que a habitou. Minha casa é meu reino, já disseram... Parabéns grande e iluminado poeta!

6 comentários:

Carlinhos do Amparo disse...

Grande... é bondade tua!
Iluminado pela tua generosidade, creio eu...hehehe

DiAfonso disse...

Você sabe, cumpadi, que sou extremamente exigente quando se trata de produção poética. Quando afirmo que você é um iluminado... É vero!

Você bem sabe o que acho de um certo poema de Manuel Bandeira! rsrs

Beth Muniz disse...

Fala companheiro,
Linda imagem.
Parece com a casinha da minha mãe.
Bom te ter no Travessia.
Estamos juntos para o Brasil continuar mudando.
Grande beijo.

Beth Muniz disse...

Ah! Me esqueci: Adoro as Bachianas N• 5. Linda.
Beijo.

DiAfonso disse...

Olá, Beth!

Obrigado pela visita. Tamos juntos e misturado para o Brasil continuar mudando.

Abs!

DiAfonso disse...

ixi-maria! E quem não gosta?!?! rsrsr

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...